PMA Outubro Rosa

RN define área do Porto-Indústria ainda este mês

O Rio Grande do Norte vai definir até o fim do mês a área onde será construído o novo Porto-Indústria Multipropósito do Estado, que promete ser a base para viabilização da exploração da energia eólica offshore no RN e exportação de outros produtos — como o hidrogênio verde — tornando o Estado pioneiro no segmento. Os estudos preliminares contratados pelo Governo do Estado, ainda em maio de 2021, estão avançando e a última entrega apresentou quatro áreas possíveis para o porto. Com isso, a equipe econômica e energética da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) terá de definir o melhor local para prosseguimento dos estudos.

De acordo com o coordenador energético da Sedec, Hugo Fonseca, as quatro áreas apresentadas pelo projeto contratado junto à UFRN estão localizadas à margem esquerda do Rio Potengi e nas faixas litorâneas das cidades de Touros, Caiçara do Norte e Porto do Mangue. As áreas foram apresentadas em reunião na última segunda-feira (14) pelo professor Mario Orestes Aguirre Gonzalez, do Departamento de Engenharia de Produção da UFRN. “Estamos recebendo os estudos agora, vamos analisar e definir, junto com a equipe técnica e a UFRN, o local desse Porto. Nossa previsão é fazer isso até o dia 28 de março. Toda análise é feita de forma imparcial, baseada em critérios técnicos”, aponta Hugo.


Os estudos apresentam as potencialidades de quatro áreas, levando em conta seis critérios técnicos: disponibilidade de área e infraestrutura, conectividade  com rodovias e proximidade com rotas de navegação, profundidade da área marítima, características ambientais, aspectos socioeconômicos e condições meteocenográficas e geológicas.


“Esses critérios foram identificados na literatura, relatórios técnicos e em expertises mundiais. O Porto precisa de área e infraestrutura. O de Natal, por exemplo, para expansão ou para atender o setor eólico, ficou limitado, pois não há área para expansão”, explica o professor Mário González. O grupo de estudo conta com professores do Reino Unido e Dinamarca.


No atual momento, o estudo se encontra na fase II, que foi justamente a seleção das áreas que podem receber o porto. Segundo o professor Mário González e Hugo Fonseca, coordenador energético da Sedec, muito mais do que uma área “mínima” para se instalar um porto dessa magnitude, a área escolhida precisa ser um local com capacidade expansiva para as próximas décadas. A expectativa é de que essa área mínima seja de 5.000 hectáres.


“Para um porto indústria multipropósito ser viável nessa configuração, precisa-se de uma retroárea significativa que permita a expansão e adaptação dele ao longo das próximas décadas. Se o porto não consegue expandir nem se adaptar às novas tecnologias e tipos de mercado que irão surgir, ele é um porto que tende a ser como os demais que operam no Brasil e no mundo. Ele fica limitado muito rápido, e não é intenção nossa”, diz.


Estudos
Os estudos foram contratados pelo Governo do Estado junto à UFRN em maio do ano passado, por R$ 1,1 milhão. Atualmente, o diagnóstico só pode ir para a terceira fase após a seleção por parte do Estado.

As próximas fases são fundamentais, segundo explica o professor Mário Gonzalez. Segundo o plano de estudo, serão feitos estudo de viabilidade técnico-econômica-ambiental (EVTEA) para o porto-indústria; identificação e caracterização das partes interessadas do porto-indústria e também a elaboração do plano estratégico para operacionalização e para o desenvolvimento da cadeia produtiva e industrial.

Pesquisas para desenvolver hidrogênio verde

A grande maioria dos projetos para produzir hidrogênio verde no Rio Grande do Norte está em fase de pesquisas. O Governo do Estado assinou protocolos de intenção com  entidades e empresas para estudos sobre a produção do combustível. Em janeiro passado, em entrevista à TRIBUNA DO NORTE, o secretário de Desenvolvimento Econômico do RN, Jaime Calado, reforçou as ções para a instalação de um porto-indústria no Rio Grande do Norte, que deve servir à produção de energia eólica offshore.


De acordo com ele, a equipe está analisando questões como viabilidade técnica, econômica e ambiental, além de avaliações sobre o melhor local para instalação do  Porto-Indústria Multipropósito. Um técnico dinamarquês também participa dos estudos. Para além de atender às demandas da energia eólica offshore e de H2V, a expectativa é que tecnologias como a amônia verde também sejam contempladas.


Com a produção do combustível atrelada a recursos renováveis, o Governo do Estado decidiu criar, em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER), de Natal, um atlas das energias eólica e solar. “Já instalamos seis estações solarimétricas em regiões diferentes, inclusive, uma delas, é no mar, para medir em tempo real a radiação do sol, a direção e a velocidade do vento”, destaca o secretário.


Além disso, até março, segundo ele, uma torre de 170 metros deverá ser instalada em Jandaíra, no interior do Estado, para medir velocidade, força e direção do vento 24 horas por dia. As informações serão reunidas no atlas e devem ajudar a consolidar estudos já concluídos ou em curso sobre o offshore no Estado.

Números

5 mil (ha) 

É a dimensão em hectares da área que será escolhida para a instalação do Porto-Indústria Multipropósito no RN.

R$ 1,1 mi

É o valor investido pelo Governo do Estado no diagnóstico para a instalação da futura estrutura portuária.

anuncie

Reges - Sites para prefeituras